468x60px

Featured Posts

quinta-feira, 25 de maio de 2017

O MP3 está morrendo. E agora?

Arqueólogos e curiosos em geral costumam se perguntar como os velhos habitantes do Egito conseguiam cortar com precisão milimétrica grandes blocos de rocha para construir templos e pirâmides.

Desconsiderando as hipóteses de que eram auxiliados por ETs, resta a constatação de que os habitantes da região, há milhares de anos, tinham técnicas bastante específicas e funcionais. Seja qual tecnologia usassem, ela se perdeu. 

Na história humana, a evolução costuma se dar com perdas só notáveis quando tarde demais. Mas talvez nesse exato momento estejamos vivendo um desses instantes de morte tecnológica - e poder observá-la ao vivo pode ser tão fascinante quanto triste.

A perda em questão é de uma tecnologia que começou a ser gestada lá no fim dos anos 1970 - a do MP3. O formato de arquivo digital que mudou tudo no cenário musical teve sua morte anunciada neste mês de maio de 2017 - 22 anos após seu nascimento oficial, no nem tão longínquo ano de 1995. 

O anúncio do possível fim desse jovem incendiário que balançou as estruturas da indústria da música foi feito pelo Fraunhofer IIS, o instituto de pesquisas alemão que é pai e mãe do MP3. Aliás, bem mais pai: a equipe de pesquisadores que o criou não tinha mulheres.

Em um comunicado nada emocional, o Fraunhofer disse que a última patente referente ao MP3 se esgotou em abril - e que não dará mais suporte ao formato, agora livre de copyrights. Na prática, quer dizer que mudanças que impactem o funcionamento do MP3 não implicarão em adaptações "oficiais" no conjunto de software feitas por seus pais. 

Só isso. Pode não parecer muito, mas imagine que surja um novo sistema operacional totalmente diferente de tudo que existe. Pronto. O MP3 não terá mais uma casa onde ir para se adaptar. Isso é ruim. Por outro lado, com patentes livres, qualquer um poderá mudar o padrão para adaptá-lo a um novo ambiente. Mas isso significa bagunça potencial. 

Quem usa computador com variantes do Linux sabe o que significa. Se cada um faz o que quer, por vezes as coisas não funcionam muito bem.

Uma coisa é certa: o mundo não foi o mesmo após o nascimento do MP3 e não será o mesmo após seu fim. Quem não viveu seu início, em 1995, não pode imaginar o que esse punhado de linhas de código significou.

Quais formatos vão substituir o MP3 - AAC, FLAC

A possibilidade de gravar horas de música em arquivos digitais pequenos e portáveis, usando apenas um PC e um software como o histórico Nero Burning ROM, e depois transitar livremente esses arquivos pela então nascente internet foi algo tão impactante quanto a invenção do disco de áudio por Thomas Edson

Se antes a música só podia ser usufruída crua, ao vivo, Edson permitiu que ela fosse fixada em um dispositivo móvel, o disco. Mas isso ainda exigia equipamentos e movimentação física do vinil - ou de fitas, CDs e outros invólucros físicos. O MP3, que demorou quase 20 anos para ser desenvolvido pelos alemães do Fraunhofer, mudou essa lógica. A mobilidade se tornou virtual: de um só ponto no espaço-tempo era possível duplicar infinitamente uma música. 

Antes, a duplicação só se dava no um a um: eu copio um vinil em uma fita casette e ponto. Depois do MP3, os conteúdos musicais se democratizaram. 

Músicos deixaram de depender exclusivamente, para a distribuição, da indústria fonográfica, e consumidores sem dinheiro para adquirir um CD ou vinil puderam, de alguma maneira, ter acesso a seus conteúdos. Sim, isso significou pirataria a princípio - mas hoje é o que permite a você comprar uma faixa musical por poucos reais e tê-la na hora em seu celular ou computador.

Essa ideia já estava na cabeça dos pesquisadores que trabalharam no projeto do MP3. "Nossa visão, lá pela metade dos anos 90, era de que qualquer pessoa um dia poderia levar suas músicas em um dispositivo portátil", relembra Harald Popp, um dos inventores do formato. “Mas naquela época muitos especialistas diziam que jamais existiria um aparelho portátil capaz de acomodar a complexidade do MP3."

No fundo, estes descrentes não só duvidaram do MP3 como também não conseguiram pressentir toda uma indústria criada a partir dele para gerar novas maneiras de usufruir música. Empresas pioneiras como a Nero, fundada em 1988 e ainda hoje atuando no mercado de multimídia, ou mesmo fabricantes que usam o formato em seus equipamentos de áudio até hoje, como a Sony, não teriam avançado tanto quanto avançaram sem o MP3.

Mas, e agora? O que ocorrerá se o MP3 desaparecer assim como sumiram as técnicas de cortar rochas dos antigos egípcios? Bem, o fato é que embora revolucionário, o MP3 vem a cada dia perdendo espaço para arquivos mais interessantes - em tamanho ou em qualidade do áudio. 

Formatos como AAC e FLAC, já suportados por softwares de transcodificação e de execução, oferecem ambas as qualidades. Seus arquivos são menores e o som, melhor. O AAC, aliás, é filho dileto do MP3: foi criado pela turma da MPEG, entidade mundial que congrega fabricantes para criar padrões globais. 

Não por acaso, a MPEG foi, a partir do fim dos anos 80, uma das envolvidas na criação do MP3 - tanto que a sigla resume o nome completo do formato, MPEG Audio Layer-3. Ou seja, o MP3 pode até morrer - mas permanece em seu descendente. Ainda bem.

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também:


quarta-feira, 24 de maio de 2017

A nova onda de Aplicativos - Realidade Virtual

Os smartphones têm tomado cada vez mais espaço na vida das pessoas. Eles são responsáveis por toda a interação com o mundo virtual. Segundo a Anatel, órgão que regulamenta o uso de aparelhos no Brasil, atualmente são mais de 240 milhões de dispositivos móveis ativos – celulares e smartphones.

O app da Google, Play Store, possui 1,4 milhão de aplicativos disponíveis para download em aparelhos Android. A Apple oferece mais de 1,2 milhão deles.

De olho nesse mercado, as empresas têm investido cada vez mais em soluções para aparelhos móveis que interajam com seus clientes e, dessa forma, criam um mundo virtual paralelo.

YouTube lançou recentemente em sua plataforma a interação com realidade virtual por meio do Google Cardboard, um aplicativo que torna a experiência muito mais real.

Facebook transformou a vivência das pessoas que utilizam os dispositivos móveis. Após a compra do InstagramWhatsApp e outras startups menores, ela se tornou proprietária de um conglomerado de tecnologia virtual onde os usuários passam a maior parte do dia.

aplicativos, realidade virtual, aumentada

Dezenas de aplicativos são desenvolvidos e lançados por dia, disponibilizando aos usuários uma lista interminável de opções. Alguns são momentâneos e proporcionam às pessoas diversão e entretenimento – é o caso do Dubsmash, aplicativo que oferecia frases para serem dublados ou o Foursquare, que mostrava aos amigos conectados sua localização e experiência vivida naquele local.

A Moura Informática, uma desenvolvedora de software e aplicativos, irá lançar na ABF Franchising Expo, em São Paulo, um aplicativo que oferece ao usuário um provador virtual móvel. Isso significa poder realizar compras de roupas e acessórios sem sair de casa ou do trabalho.

“O aplicativo é a tendência para pessoas cada vez mais conectadas à internet. Nossa intenção é levar mais comodidade e tecnologia às pessoas. Com esse app, é possível fazer uma compra no intervalo do trabalho ou enquanto relaxa em casa. 

O diferencial é que a pessoa poderá escolher o tipo físico, o tom de pele, fotografar o rosto e ver a peça de roupa diretamente em um corpo muito próximo da realidade”, explica Natal Moura, Presidente do Grupo Moura.

Uma pesquisa de mercado aponta o funil para este tipo de atendimento ao cliente. “É um novo método de oferecer ao cliente a máxima experiência em inovação e tecnologia. Para os empresários do setor têxtil, pode significar aumento em vendas – nas lojas físicas ou e-commerce”, finaliza Moura.

A estudante Pamela Mendes passa mais de 5 horas por dia conectada ao smartphone. “Faz parte do meu dia. Uso para conversar com meus amigos, me atualizar, estudar, ver novas tendências e principalmente para o trabalho” afirma.

Pamela lembra que estamos em novos tempos e acompanhar não é opção. “O mercado está em desenvolvimento frenético. Empresas que não inovam são rapidamente ultrapassadas”, finaliza.

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também:


terça-feira, 23 de maio de 2017

Windows e softwares atualizados aumentam a segurança do computador

No último dia 12, todo mundo ficou sabendo da existência do ransomware WannaCrypt. Não que a ameaça não fosse conhecida anteriormente, mas devido ao ataque massivo que atingiu organizações em mais de 150 países, segundo informações das autoridades europeias, o ransomware acabou virando manchete em diversos meios de comunicação.

No entanto, o fato mais alarmante em todo este caso foi que a Microsoft já havia reparado a falha no Windows que abria às portas ao WannaCrypt em uma atualização liberada em março.

Com isso, torna-se cada vez mais evidente a necessidade de manter o sistema atualizado, bem como todos seus componentes, como drivers e programas instalados. Além disso, o uso de software original é outro fator determinante para garantir a segurança dos nossos PCs. 

Um estudo feito por IDC – International Data Corporation comprovou que existe uma relação direta entre o número de software sem licença (pirata) e a quantidade de PCs infectados por malware. Por exemplo, no Brasil, 50% dos softwares são piratas e o país conta com 31% de PCs infectados por malware.

Como manter o PC atualizado?
Preservar a segurança do computador por meio de frequentes atualizações não é tão difícil como pode parecer. De fato, existem ferramentas que podem facilitar nossas vidas e monitorar os PCs para notificar-nos de atualizações necessárias. Para as atualizações do próprio sistema Windows, o mais fácil é certificar-nos que os ajustes do Windows Update estejam ativos.

No entanto, não são somente as falhas do sistema que são perigosas para a segurança dos nossos PCs. Os softwares e drivers normalmente são atualizados não somente para oferecer uma melhor performance, mas também para corrigir erros que ameaçam a segurança do usuário pois servem uma porta de entrada ao PC. 

como atualizar o Windows 10 grástis

Neste sentido, no que se refere às atualizações de drivers, essenciais para o correto funcionamento de hardware, como teclado, mouse e placa de vídeo e áudio, e de softwares instalados no PC (com tal que sejam softwares originais), a função SmartUpdate do Steganos Tuning PRO proporciona a ajuda ideal.

Como funciona o SmartUpdate
Basta abrir o Tuning PRO e selecionar a função SmartUpdate na interface do programa. Desta forma, o Tuning PRO começará a analisar o computador e listará todos os softwares e drivers que precisam ser atualizados. 

Com poucos cliques e em uma única interface conseguimos instalar as últimas versões dos softwares e drivers facilmente. Além disso, o SmartUpdate inclui ferramentas para apagar vestígios de navegação na internet para aumentar nossa privacidade online, bem como um recuperador de arquivos excluídos um eliminador de dados seguro que permite apagar arquivos permanentemente.

Extras do Steganos Tuning PRO
O Tuning PRO ainda inclui outras duas funções principais: 

SmartCleanner:
essencial para melhorar o desempenho e velocidade do PC. Esta função permite excluir arquivos desnecessários, esvaziar a lixeira de forma segura e permanente, limpar e desfragmentar o registro, além de propor soluções para economizar no consumo de bateria do computador. 

SmartTurbo: o Windows possui tantos componentes que muitas vezes esperamos vários minutos para que o mesmo ligue ou desligue. Esta função otimiza as configurações de início automático, serviços e configurações do Windows para otimizar o PC. Além disso, inclui uma ferramenta para desfragmentar o disco.

O programa também inclui um modo de alta velocidade, que ao ser ativado ajusta algumas configurações automaticamente para melhorar a velocidade do computador. Igualmente, a função otimização com 1 clique resolve todos os problemas da forma mais fácil possível, e até mesmo é possível programar para que realize análises automáticas do sistema e do PC.

Para mais informações sobre o SmartUpdate e as outras funções do programa, visite o site oficial do Tuning PRO. O software pode ser testado na íntegra durante 7 dias e está disponível em uma subscrição de 1 ano para um ou três PCs.

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também:


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Jogar iPhone no fogo? Veja quais foram os testes mais bizarros já feitos com o celular.

Será que o celular da Apple resiste a tantas tentativas de destruição assim?

Parece loucura, mas é a mais pura verdade. Já há um bom tempo, uma série de canais do YouTube se dedica a destruir o iPhone, de todas as maneiras que você possa imaginar.

A ideia surgiu nos Estados Unidos, onde o celular é bem mais barato do que no Brasil. Contudo, curiosamente, vídeos como esse se tornaram virais, atingindo milhares de visualizações.

Confira os testes mais bizarros feitos com o smartphone da Apple

O grande palco para essas exibições de destruição é o YouTube. Por lá você pode encontrar vídeos como esses aos montes. Na maioria dos casos, obviamente, o iPhone não sobreviveu.

A ideia dos testes não é verificar se o iPhone sobrevive, pois isso é bem óbvio já no início dos vídeos: é claro que ele não vai resistir, celular nenhum aguentaria.

Entretanto, o que mais desperta a curiosidade é o que vai acontecer ao final do vídeo e qual será o estado do aparelho após a conclusão do massacre.

Nesse artigo, listamos algumas das situações inusitadas pelas quais o iPhone já teve que passar. Confira a nossa seleção.

iPhone x roda de moto
Você já imaginou o que poderia acontecer se uma roda de moto fosse colocada para circular sobre um iPhone?

O youtuber ucraniano TechRax decidiu fazer esse teste. Suspendendo a roda da moto, ele fez com que ela deslizasse “suavemente” sobre a tela do aparelho.

Curiosamente a tela continuou funcionando, apesar da grande mancha que se fez na parte em que a roda passou.

iPhone x liquidificador industrial
O canal “Will it Blend?” é um dos mais conhecidos do YouTube por uma particularidade bastante interessante: a proposta aqui é colocar eletrônicos dentro de um liquidificador de uso industrial e ver como os gadgets se saem.

Para a felicidade dos donos da marca do aparelho, na maioria dos casos os eletrônicos são completamente triturados, sem que a lâmina do liquidificador sofra algum arranhão.

Obviamente, o iPhone não poderia ficar de fora desses testes. Veja só o que aconteceu.

fogo, jacaré, água fervendo, maquina de cortar madeira, explosão

iPhone x termite
Termite é o nome que se dá a uma reação química aluminotérmica em que o metal do alumínio é oxidado pelo óxido de outro metal, como por exemplo o óxido de ferro.

Em casos como esse, a reação exotérmica pode fazer com que a temperatura ultrapasse os 3500 graus Celsius.

Em outras palavras, é quase como colocar o iPhone diretamente no fogo, mas nesse caso a reação é instantânea. Obviamente, o iPhone utilizado no teste não sobreviveu para contar a história.

iPhone x água fervendo
E se você tivesse a oportunidade de ferver o iPhone em uma panela de água, o que será que aconteceria? O curioso canal ucraniano TechRax também fez esse teste.

Depois de colocar o celular ligado embaixo da água, em menos de 10 segundos ele desligou.

O fato curioso é que após o teste, ao tentar ligar o aparelho, incrivelmente o celular funcionou corretamente. Ou seja, ele resistiu a esse teste.

iPhone x martelo e arranhão com faca
Se você achou que os vídeos acima ainda não são destrutivos o suficiente, espere então até ver esse teste.

Aqui, o youtuber coloca o smartphone da Apple contra um martelo e, depois, submete a tela a arranhões de faca.

O mais incrível de tudo é que o aparelho resistiu a quase todos os testes, chegando ao final em um estado completamente lamentável, mas ainda assim funcionando.

iPhone x cortador de madeira
O cortador de madeira que você vê neste vídeo é indicado para aqueles que desejam fazer serragem.

É claro que alguém teve a brilhante ideia de colocar um iPhone lá dentro para ver o que acontece, não é mesmo?

O resultado foi que não houve a mínima chance para o smartphone da Apple. Ele foi completamente triturado, sem dó nem piedade.

iPhone x ferrofluido magnético
O ferrofluido é um líquido que possui grande poder de magnetização e podem ser destrutivos ao entrar em contato com outras substâncias ou artefatos.

Não precisa nem ser um adivinho para imaginar que em algum momento tiveram a brilhante ideia de despejar o líquido sobre um iPhone.

O resultado da experiência é bastante curioso e vale a pena ser visto. No final, o aparelho saiu intacto a mais esse teste bizarro.

iPhone x jacaré
Sim, as experiências com o iPhone chegaram até mesmo a esse ponto. Imagine se o seu celular caísse na boca de um jacaré, o que será que aconteceria?

No teste, realizada de forma controlada, o animal teve a oportunidade de dar duas longas mordidas nele – o que foi suficiente para detonar o aparelho, que deixou de funcionar.

No vídeo você vê ainda que houve o cuidado para que o animal não engolisse o celular, o que certamente faria um mal danado para ele. Sem dúvida, um dos testes mais bizarros já feitos com um iPhone.

O que achou dos testes feitos com o iPhone? Divertido demais! Provavelmente você não vai passar por testes como esse no seu dia a dia, mas uma das precauções que você pode ter, é contratando um seguro para iPhone. Com a Bem Mais Seguro você tem mais tranquilidade com o seu smartphone.

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também:

Quantos meses de aluguel você poderia pagar com o preço de um Samsung Galaxy S8+ ou iPhone 7 Plus

A mais nova geração de smartphones já está disponível no mercado brasileiro. Porém, isso não significa que a maioria da população terá acesso a alguns desses modelos.

Os smartphones top de linha da Samsung e da Apple, respectivamente o Galaxy S8+ e o iPhone 7 Plus, chegaram às lojas custando mais de R$ 4 mil. Valor bem salgado, não é mesmo?

Em sua versão mais completa, o iPhone 7 Plus, com acabamento preto brilhante e 256 GB de espaço de armazenamento, custa hoje R$ 4.899. Já o Galaxy S8+ chegou às lojas custando R$ 4.399. Ou seja: é muito dinheiro para sair por aí dando sopa com o aparelho nas mãos sem que você tenha contratado ao menos um seguro para smartphone, não é mesmo?

Para quem mora em uma grande cidade, os quase R$ 5 mil que custam os aparelhos seriam suficientes para custear alguns meses de aluguel. 

Fomos pesquisar que tipo de imóvel seria possível alugar em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba com o valor de um simples celular. Qual seria a sua escolha?

Curitiba
A capital paranaense tem visto o preço dos seus imóveis aumentar ao longo dos últimos anos, apesar da crise. Porém, em nossas pesquisas, conseguimos encontrar boas opções de moradia com valores acessíveis se comparados aos de um celular top de linha. Dá uma olhada nesta opção, por exemplo.

Um imóvel com três quartos (sendo um deles com armários), sala, cozinha (com armários), banheiro social e de empregada e vaga de garagem coberta; além disso ele tem condomínio com salão de festas, churrasqueira e jardim. 

De acordo com o site Viva Real, o aluguel desse apartamento, com área total de 102 m², sairia por R$ 800 por mês.

Comparando com o valor de um iPhone 7 Plus, seria possível pagar 6 meses de aluguel, e ainda sobraria R$ 99 para fazer um churrasco.  >>>> Link do imóvel:

Samsung Galaxy S8+ ou iPhone 7 Plus mais baratos - qual o melhor?

Belo Horizonte
A capital mineira tem um grande número de imóveis para locação e, aqui, procuramos um apartamento com características similares. No site da Viva Real, encontramos a seguinte opção no bairro Madre Gertrudes.

Apartamento com três quartos, sala ampla para dois ambientes, banheiro social, cozinha com bancada de granito e armário, área de serviço e uma vaga de garagem. Esse imóvel, com área de 80 m², sai por R$ 880 por mês, valor que já inclui o condomínio.

Com o valor de um Samsung Galaxy S8+, seria possível pagar 5 meses de aluguel. No caso do preço do iPhone 7 Plus ainda sobraria meio aluguel para você fazer uma bela compra de
supermercado. >>>> Link do imóvel:

São Paulo
Vamos para uma cidade com um custo de vida um pouco mais alto. Na capital paulista encontramos um imóvel no bairro Tatuapé, com as seguintes características.

Apartamento com 80 m², incluindo 2 quartos, sala com ampla sacada, cozinha espaçosa e uma vaga de garagem. O condomínio possui portaria 24 horas, churrasqueira e quadra poliesportiva. Segundo a descrição da imobiliária, está localizado em um bairro residencial tranquilo e bastante valorizado.

O valor do aluguel do imóvel é de R$ 1,2 mil por mês. Ou seja, com os R$ 4.899 de um iPhone 7 Plus você pode pagar pelo menos 4 meses de aluguel e ainda sobra R$ 99 para, quem sabe pagar as suas primeiras contas de água. >>>> Link do imóvel:

Rio de Janeiro
Por fim, terminamos a nossa pesquisa com a cidade do Rio de Janeiro, considerada uma das mais caras para se morar no Brasil.

Por lá, encontramos um imóvel no bairro do Méier, com as seguintes características: apartamento com três quartos, sala ampla, cozinha, banheiro, área de serviço e uma vaga de garagem. O imóvel tem uma área total de 95 m² e o preço do aluguel é de R$ 1,4 mil.

Ou seja, com os R$ 4,9 mil de um iPhone 7 Plus, daria para pagar pelo menos 3 meses de aluguel e ainda sobraria a metade do valor para o aluguel do mês seguinte. >>>> Link do imóvel:

Proteja o seu patrimônio
Se a ideia de fazer um seguro residencial ou um seguro para o automóvel é recorrente, especialmente por conta dos altos valores, o mesmo pensamento deve ser aplicado aos smartphones. 

Pense da seguinte forma: você está andando na rua com quase R$ 5 mil no seu bolso e, frequentemente, fica com o aparelho nas mãos para utilizá-lo. Se em vez de um celular estivéssemos falando de um maço de 50 notas de R$ 100, você agiria da mesma forma? Provavelmente a sua resposta é não, não é mesmo?

Por isso, todo cuidado é pouco e mesmo tomando as devidas precauções você ainda corre riscos de que alguém roube o seu celular. Assim, contratar um seguro para smartphone em aparelhos cujo valor é alto é uma das melhores garantias que você pode ter para que, caso alguma coisa dê errado, ao menos você possa recuperar o valor integral do celular de volta.

Em resumo: se seu smartphone é valioso para você, não pense duas vezes e vá em busca de um seguro para celular. Os valores mensais são pequenos se comparados ao preço total do produto e, ainda por cima, vão te fazer economizar uma boa quantia caso algum incidente aconteça.

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também:


Os 5 Celulares com as Melhores Câmeras de 2017

Escolha o celular perfeito para tirar fotos profissionais

As câmeras de smartphones evoluíram bastante ao longo dos últimos anos e hoje se tornaram um dos principais itens dos aparelhos.

Se antes os consumidores buscavam preferencialmente aqueles celulares que tinham um processador mais potente ou maior quantidade de memória RAM, hoje é a qualidade final das fotos um fator decisor na hora da compra.

Qualidade final de imagem pode ser um item subjetivo para muitos.

Na hora de escolher qual foto é a melhor, alguns usuários podem preferir as fotos de um smartphone enquanto outros vão brigar para provar que o seu ponto de vista está certo, escolhendo outro celular.

Por isso, deixamos essa tarefa para os sites internacionais especializados em tecnologia.

A lista de celulares com melhores câmeras, que você vê abaixo, é baseada na opinião dos sites mais renomados no quesito de análise técnica de câmeras, como o Techradar e o DxOMark Mobile.

Listamos aqui, prioritariamente, apenas os smartphones que são regularmente vendidos nas lojas nacionais. Qual deles é o seu preferido?

1 – Samsung Galaxy S7 Edge
Entre os celulares com melhores câmeras do mercado, ninguém conseguiu bater por enquanto o Samsung Galaxy S7 Edge.

O aparelho foi o que conseguiu as notas mais altas nas análises publicadas nos sites nacionais e internacionais de tecnologia, mesmo tendo sido lançado há um ano atrás.

O aparelho tem uma câmera traseira com resolução de 12 megapixels e abertura focal de f/1.7.

Outros recursos incluem estabilização óptica de imagem, foco automático e flash LED. Já a câmera frontal tem 5 megapixels de resolução, com os mesmos f/1.7 de abertura.

O top de linha da Samsung permite salvar imagens em RAW.

2 – Apple iPhone 7 Plus
Quem tem um celular da Apple sabe que as câmeras dos iPhones sempre foram destaque pela boa qualidade de imagens que apresentam no resultado final.

A versão Plus do iPhone 7 segue a tradição e aparece aqui em nossa lista como a segunda colocada. Esse é o primeiro modelo de celular da Apple a contar com duas câmeras na parte traseira.

As especificações técnicas incluem duas câmeras principais com 12 megapixels de resolução cada. O que muda é a abertura, já que uma tem f/1.8 enquanto a outra tem f/2.8.

A estabilização óptica de imagem do aparelho é uma das melhores do mercado. O modelo tem ainda foco automático e flash Quad-LED. A câmera frontal tem 7 megapixels de resolução com abertura de f/2.2.

Iphone, LG, Samsung, Motorola, Nokia, Asus, Sony

3 – LG G5 SE
Infelizmente os brasileiros receberam uma versão mais simples do LG G5. Por aqui, a versão escolhida para os consumidores foi a SE, com processador menos potente e menos RAM.

Felizmente em se tratando de câmera as especificações são as mesmas, o que garante ele na lista dos celulares com melhores câmeras do mercado brasileiro.

São duas câmeras traseiras: a primeira tem resolução de 16 megapixels e abertura f/1.8 enquanto a segunda tem câmera de 8 megapixels e abertura de f/2.4.

Estabilização óptica de imagem, foco automático e flash LED são outros destaques.

Além de capturar imagens em RAW, o LG G5 SE se destaca ainda pelo seu ótimo modo manual de captura de imagens.

A câmera frontal tem 8 megapixels de resolução e abertura f/2.0.

4 – Sony Xperia XZ
A Sony é referência quando o assunto é fotografia, mas muito mais pelos sensores que produz do que pelo seu próprio celular.

Entretanto, com o Xperia XZ, um dos modelos mais caros do mercado brasileiro na atualidade, a empresa atingiu um ótimo índice de qualidade, entregando ao consumidor final câmeras que se colocam entre as melhores do momento.

A resolução da câmera traseira é de 23 megapixels, com abertura de f/2.0. O celular conta com um sistema de estabilização eletrônica de imagens, foco automático laser flash LED.

A câmera frontal tem 13 megapixels de resolução e abertura de f/2.0. Olhando apenas por megapixels, esse é o celular com o maior número absoluto entre aqueles disponíveis no mercado na atualidade.

5 – Motorola Moto Z
Fechando a nossa lista de celulares com melhores câmeras, a indicação da imprensa especializada é o Motorola Moto Z.

O aparelho, que atualmente é o top de linha da Motorola, empresa que agora pertence à chinesa Lenovo, é também um dos que apresenta a melhor relação custo-benefício no mercado.

A câmera traseira tem 13 megapixels de resolução, com abertura de f/1.8. Estabilização óptica de imagem, foco laser automático e flash LED dual-tone são outros destaques.

Na câmera frontal a resolução é de 5 megapixels, com abertura de f/2.2. Outro ponto interessante: ele também é o mais fino entre os celulares dessa lista.
Dignos de menção

A lista dos smartphones com as melhores câmeras da atualidade inclui ainda alguns modelos que não são vendidos oficialmente nas lojas brasileiras, mas que eventualmente podem ser comprados no exterior.

É o caso dos celulares Google Pixel XL, Huawei P9 e HTC 10. Todos eles estão disponíveis nos Estados Unidos e, na avaliação da imprensa especializada, mereceriam estar na lista dos 5 melhores.

Se você fizer questão de ter um desses no seu bolso, o único jeito é recorrer a sites de importação ou aproveitar uma viagem ao exterior para trazer alguns deles para casa.

Fique atento apenas aos termos de garantia, já que produtos comprados lá fora nem sempre são cobertos pelas respectivas representantes nacionais.

Escolheu qual celular com a melhor câmera vai comprar? Esperamos que um desses tenha te conquistado! Quando for comprar o seu celular, não deixe de contratar um seguro para Smartphone. Vai ser ótimo para proteger o seu aparelho. 

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também:


quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cyber Falha Humana - Como se proteger de um Ataque de Hackers?

Cozinheiro que confundiu o prato. Piloto que cometeu uma falha no voo. Erro médico. Você se lembra de algum caso e qual foi o pior resultado?

Muitos desses problemas podem ser evitados com experiência e orientação corretas, inclusive quando falamos de cibersegurança de empresas, cujos "pilotos" dos sistemas são seus funcionários.

Alguns comportamentos humanos podem gerar falhas de segurança da informação nas empresas, abrindo brechas para ciberataques. Sabe aquela mensagem de e-mail que, mesmo não sendo para você, dá uma curiosidade de ver o que tem no anexo? Pois é, eu não sei porque não abro, mas muitos fazem isso.

E aquele link que te mandaram dizendo ser algo que você quer muito? Cuidado com isso, nem sempre é tão difícil descobrir do que você gosta. O fato é que, uma vez cometido o erro, este pode levar a estação de trabalho a ficar infectada por malware e se espalhar por toda uma organização.


O ransomware, por exemplo, é um tipo de malware que criptografa (embaralha) os dados de seus arquivos e aos quais sua estação tem acesso e exige uma fiança para decriptografá-los. Ou seja, é um sequestro de dados. Consegue ver o quanto isto é prejudicial tanto do lado financeiro quanto de reputação para uma empresa?

Os botnets são outro tipo de malware que costumam se espalhar por outras estações, servidores e dispositivos ligados à internet. Sua atuação é para tornar estes dispositivos em escravos para ações de comando remoto. Ou seja, usar seus recursos de processamento e memória para fins de ciberataques. Também não queremos este tipo de software em nossos dispositivos, concorda?

É uma batalha sem fim, com sempre novas ameaças surgindo, como doenças que precisamos tratar. Hoje temos recursos para tentar minimizá-las, mas também precisamos pensar na prevenção. E é neste ponto que entra a conscientização dos usuários da empresa. Note que, assim como campanhas de saúde física, precisamos de campanhas para saúde digital.

Campanhas de segurança da informação devem mostrar como a curiosidade, ingenuidade e outros comportamentos descuidados podem ser prejudiciais. 

Uma sugestão seria criar mensagens de e-mail com remetentes aleatórios e links não maliciosos, mas quando clicados, levassem às mensagens de alerta sobre o que o usuário acabara de fazer, abordando assuntos como ameaças e seus impactos para o negócio. 

Outra ação, mais simples, seria organizar palestras e treinamentos, presenciais ou virtuais, sobre o assunto. O importante é conscientizar!

Escrito por: André Duarte

Leia também:

terça-feira, 9 de maio de 2017

CorelDRAW 2017, primeiro software de desenho vetorial baseado em Inteligência Artificial

A Corel Corporation está lançando no Brasil o CorelDRAW® Graphics Suite 2017, versão mais recente do software de design gráfico da companhia canadense, com uma revolucionária novidade.

A tradicional suíte de software agora inclui uma ferramenta baseada em inteligência artificial que “proporciona aos designers uma experiência criativa inigualável por qualquer outro aplicativo vetorial”, segundo Fernando Soares, gerente de Marketing da Corel Brasil. “Com o LiveSketch, pela primeira vez esboços em qualquer formato, feitos com canetas digitais e tablets, podem ser transformados em curvas vetoriais graças a esse aplicativo inteligente que interpreta e entende estilos de desenho – de rabiscos a pinceladas sobrepostas e linhas cruzadas.”

O CorelDRAW 2017 foi desenvolvido especificamente para o Windows e também oferece novas melhorias no fluxo de trabalho, além de compatibilidade com as mais recentes tecnologias – como os dispositivos com telas touch ou stylus, Microsoft Surface Dial e monitores UltraHD 5K.

"Historicamente, softwares de design vetorial levam os artistas a trabalhar em um mundo dominado pela matemática”, explica Gérard Métrailler, vice-presidente de Produtos Globais da Corel. “Quando um artista gráfico acostuma a pensar em formas geométricas, polilinhas e curvas Bézier, ele acaba se distanciando da verdadeira origem da criatividade: a simples alegria de desenhar.

"A ideia por trás da ferramenta de IA é tornar essa lógica novamente intuitiva e natural. "O LiveSketch do CorelDRAW 2017 aproveita os mais recentes avanços em hardware sob o Windows e o eficiente aprendizado automático dos softwares inteligentes para levar a experiência divertida e criativa da caneta e do papel pela primeira vez à ilustração vetorial. Neste novo ambiente criativo, a tecnologia como que desaparece", diz ele. 


Para Microsoft Surface
Os pontos-chave do novo CorelDRAW Graphics Suite 2017 se focam em maior produtividade, em melhorias significativas no fluxo de trabalho e no renascimento da criatividade pura. A suíte avança nessa direção, ainda, ao ampliar a oferta de soluções para dispositivos com telas touch. 

Para tanto, foi acrescentado o modo Tablet, para criação de esboços dinâmicos e ajustes rápidos usando toque ou canetas ópticas stylus. A interface com o usuário foi recriada em uma nova área de trabalho chamada Toque, na qual a janela de desenho é maximizada e aceita o uso de gestos para fazer zoom e outras operações comuns em criação gráfica.

A facilidade natural de uso também foi alvo dos desenvolvedores da Corel ao criar uma solução inteiramente dedicada ao novíssimo trio Surface Studio, Surface Pen e Surface Dial, da Microsoft, e para as canetas stylus e tablets gráficos da Wacom.

A suíte CorelDRAW 2017 inclui nada menos que nove aplicações para fotos, desenho, layout, web e artes gráficas – além do próprio CorelDRAW, é composta pelo Corel PHOTO-PAINT, Corel Font Manager, Corel PowerTRACE, Corel CONNECT, Corel Website Creator, Corel CAPTURE e PhotoZoom Pro. Ao lado dos aplicativos, o kit tem ainda 10 mil cliparts, 2 mil fotos em alta resolução, mais de mil fontes tipográficos e 2,3 mil modelos de publicações, entre outros.

Em pré-lançamento, o programa já está disponível em lojas, distribuidoras e revendas selecionadas da rede nacional de revendedores Corel. Em maio, quando do lançamento oficial do programa no País, a suíte chegará a mais de 600 pontos comerciais no Brasil, tanto online quanto presenciais.

BOX
Novo CorelDRAW: Política de preços inclui Licença Vitalícia e Assinatura

O CorelDRAW 2017 será comercializado nas modalidades de Licenciamento Vitalício (para versões em licenças, caixa e ESD-download) e Assinatura anual, na qual o usuário poderá realizar upgrades gratuitos durante o período de duração do contrato. No caso da licença acadêmica, o Programa de Upgrade oferece atualizações automáticas por um ano e, no licenciamento comercial, as atualizações são comercializadas de forma opcional.

Para quem tem versões anteriores da suíte, de qualquer ano, a companhia também oferece descontos para atualização. Com interface e manuais em português do Brasil e outros 13 idiomas, a versão completa está sendo pré-lançada no País por R$ 2.199. 

Usuários registrados de qualquer versão anterior do CorelDRAW Graphics Suite podem fazer upgrade por R$ 899 (exclui as versões acadêmica, OEM e de revenda proibida [NFR]). A Assinatura está disponível por R$ 899 por ano. Licenças educacionais e comerciais por volume também estão disponíveis por meio de revendas autorizadas Corel.

BOX
Item a item, as principais novidades do CorelDRAW 2017

A revolucionária ferramenta LiveSketch™: o LiveSketch utiliza o poder de uma rede neural para entender e proporcionar uma experiência de desenho vetorial natural que reproduz a sensação de desenhar com caneta e papel. 

Pela primeira vez, usuários podem transformar esboços de formato livre em curvas vetoriais diretamente em dispositivos habilitados para caneta graças a uma ferramenta inteligente que interpreta e entende estilos de esboço, como pinceladas sobrepostas, linhas cruzadas e até rabiscos. Além de potencializar a criatividade, o LiveSketch elimina a tarefa demorada de criar esboços no papel, digitalizá-los e convertê-los em vetor, permitindo que o projeto seja iniciado diretamente na tela. 

Nós, indicadores e visualizações de vetor aprimorados: graças a nós e indicadores reformulados, a manipulação de nós ficou mais rápida e intuitiva. Agora, uma forma única é atribuída a cada tipo de nó, para que o usuário rapidamente possa identificar nós cúspides, suaves e simétricos. 

As visualizações de vetor para nós e curvas foram aprimoradas para se destacar das cores de fundo do design. Controles deslizantes interativos de transparência e preenchimento de objetos também foram aprimorados para ficar mais visíveis. 

Nova interface de usuário para dispositivo de toque: use o modo Tablet para criar esboços dinâmicos e realizar ajustes rápidos com o toque ou um stylus. A nova área de trabalho Toque simplifica a interface do usuário para maximizar o tamanho da janela de desenho. 

Trabalhe mais rápido ao enquadrar e aplicar zoom com um único gesto. Volte automaticamente para a área de trabalho de computador desktop ao reconectar o teclado e escolha a configuração da interface do usuário mais adequada para você no modo Tablet. 

Melhorias para stylus: desfrute de uma experiência de desenho mais natural e obtenha resultados mais expressivos graças à compatibilidade nativa com o Surface Studio, o Surface Pen e o Surface Dial, bem como ao suporte avançado para stylus e tablets Wacom. 

Tenha acesso instantâneo a controles relevantes e escolha as propriedades do stylus rapidamente. Tire proveito da pressão, do rolamento, da inclinação e da rotação do seu stylus compatível com RTS ao usar uma variedade de ferramentas e efeitos. 
 
Importação de áreas de trabalho de versões anteriores: traga seus ambientes anteriores diretamente para o novo CorelDRAW Graphics Suite 2017 e continue criando seus designs exatamente de onde parou. Reutilize as áreas de trabalho que foram criadas nas versões X6, X7 e X8 do CorelDRAW e do Corel PHOTO-PAINT.

Para projetos de qualquer tamanho - desde criação de logos até gráficos web e outdoors - o CorelDRAW Graphics Suite 2017 inclui:
  • CorelDRAW® 2017: aplicativo intuitivo de layout de página e ilustração vetorial
  • Corel® PHOTO-PAINT® 2017: aplicativo de edição profissional de imagens
  • Corel Font Manager™ 2017: gerenciamento eficiente de fontes
  • Corel® PowerTRACE® 2017: utilitário de conversão de bitmap em vetor (incluído no CorelDRAW 2017)
  • Corel® CONNECT™ 2017: acesse conteúdo digital no Centro de conteúdo ou em um computador local
  • Corel® Website Creator™: aplicativo de design de sites
  • Corel® CAPTURE™ 2017: utilitário de captura de tela com um clique
  • PhotoZoom Pro 4: plug-in para exportar e ampliar imagens digitais do Corel PHOTO-PAINT
Para uma lista completa de todos os itens do CorelDRAW Graphics Suite 2017 e download de versão de avaliação gratuita por 15 dias, visite www.coreldraw.com.

Se você gostou deixe um comentário!

Leia também: